ptzh-CNen

  • Biblioteca Digital
  • Aprender a Língua Portuguesa
  • opera cantao
  • selosptchina
  • Portal Digital: Fontes Macau-China Séculos XVI-XIX
  • Aprender a Língua Portuguesa
  • Espetáculo da Ópera de Pequim organizado pelo Observatório da China
  • Emissão dos selos comemorativos das Relações Diplomáticas Portugal-China: 40 anos das relações diplomáticas.
  • Home
  • Iniciativas do Observatório da China

Exposição de Cartografia: adiada e com nova data ainda não confirmada.

 

Informamos que a exposição "A China vista da Europa: séculos XVI-XIX", que ocorreria entre 15 de Julho de 2020 e 11 de Setembro de 2020, será remarcada. Esta exposição enquadra-se no âmbito do projeto Portal Digital Macau/China: Fontes dos Séculos XVI e XIX, desenvolvido pelo Observatório da China em parceria com a BNP, com o patrocínio da Fundação Macau e o apoio da UCCLA, que já disponibiliza uma coleção digital com cerca de 175 mil imagens, de acesso universal e gratuito. O projeto compreende recursos textuais, iconográficos e cartográficos sobre Macau e a China que, para além de documentação da BNP, incluirá também a documentação relevante das bibliotecas da Ajuda e Pública de Évora.

Biblioteca Digital Macau-China

Criado pelo Observatório da China com a Biblioteca Nacional, tem o apoio da UCCLA e é patrocinado pela Fundação Macau.

A Biblioteca Digital Macau-China possui as descrições portuguesas escritas entre os Séculos XVI e XIX, fundamentais para a História de Macau e do seu papel no Mundo, que foi pioneiro no relacionamento de charneira entre o Ocidente e a China. Mas possui igualmente descrições sobre todos os continentes e mares navegados pelos Portugueses, pois o critério de seleção dos livros e documentos (os quais estão totalmente digitalizados, da capa à contracapa) desta Biblioteca é que tenham a palavra Macau ou China, pelo menos uma vez na totalidade da obra, isso significa que a Biblioteca inclui, para além de monografias, as crónicas e as histórias de Portugal redigidas entre o século XVI e XIX, ainda que a maioria doas suas páginas sejam dedicadas às descrições da Europa, da África, da América, e só algumas páginas sejam sobre a Ásia.

A Biblioteca Digital Macau-China é um instrumento importante para o estudo da história e do património histórico e intelectual de África, do Brasil e do Oriente em geral; tem um formato digital de grafismo claro, com acesso simples, mas muito apelativo visualmente, mas rigorosa e científica. O link do portal está acessível com um simples clique e a sua consulta é gratuita a todos os utilizadores nacionais ou internacionais da internet. As páginas dos seus livros podem ser folheadas com o “rato”, como os próprios livros estivessem no ecrã do computador. A documentação história e respetivo conteúdo é disponibilizado e acessível através de 4 diferentes formas de consulta:

  • Nome dos autores das obras;
  • Título da obra;
  • Data de edição da obra;


A Biblioteca está em contínuo desenvolvimento, pode ser consultada em 4 línguas diferentes – português, mandarim, inglês e francês (durante a atual 4ª fase). Atualmente a Biblioteca Digital disponibiliza cerca de 200 mil páginas de Livros e manuscritos completos, publicações periódicas, cartografias e, recentemente, edições críticas, acompanhando o património cultural e histórico do século XVI ao XX. 

Esta plataforma tem vindo a permitir a consulta e o download nos respetivos computadores pessoais, por parte de estudantes de vários níveis escolares e instituições universitárias - asiáticas, europeias, americanas e africanas - para desenvolverem os seus trabalhos de pesquisa com mais comodidade e acessibilidade.

A Biblioteca constitui-se como mais um instrumento pedagógico ao serviço da comunidade escolar (secundária e universitária) e dos leitores em geral. Tem, como grande vantagem, permitir o acesso direto, internacional e imediato a fontes históricas até agora, maioritariamente só acessíveis nos arquivos portugueses ou em edições de difícil acesso. Por outro lado, ao serem digitalizadas, pela primeira vez, muitas destas obras passam, automaticamente, a ser preservadas da degradação natural do tempo, garantindo a sua salvaguarda para a leitura e instrução das gerações vindouras.

 

Rui Lourido
Lisboa, 14 de abril de 2020