ptzh-CNen

  • Home
  • Úteis
  • A Primeira Exposição Internacional de Importação da China

A Primeira Exposição Internacional de Importação da China

Liliana Sousa, 29 de outubro de 2018

Será já no dia 5 de novembro de 2018 a inauguração da primeira Exposição Internacional de Importação da China, que se apresenta como sendo uma grande oportunidade para a economia mundial, através do estabelecimento de novas parcerias comerciais, e sobretudo, será uma plataforma de acesso ao mercado chinês. Neste sentido, destacaremos o caso dos países da América Latina que, segundo avança agência de notícias chinesa Xinhua, será uma grande oportunidade para o desenvolvimento das economias destes países.

Esta iniciativa chinesa foi anunciada em maio de 2017 durante o Fórum de Cooperação Internacional da Nova Rota da Seda, pelo Presidente da República Popular da China, Xi Jinping. É de realçar que governo chinês pretende apoiar a liberalização do comércio e abrir o mercado chinês ao mundo, atendendo às exigências da globalização económica. Desta forma, esta exposição permitirá que todos os países e regiões participantes fortaleçam a cooperação económica e comercial com a China, através da exploração do mercado chinês, promovendo o comércio global e, por conseguinte, o crescimento económico mundial, tornando-o mais dinâmico e aberto.

É inegável a importância da China e o seu papel na economia mundial, na medida que é o país mais populoso do mundo, a segunda maior economia do mundo e o maior importador e consumidor do mundo. Assumindo todos estes papéis, o Dragão Asiático e o seu mercado podem trazer inúmeras vantagens de desenvolvimento económico para muitos países, já que estima-se que “nos próximos cinco anos, a China importará mais de dez mil milhões de dólares em produtos e serviços”. Por outras palavras, esta promoção da China através deste projeto poderá traduzir-se numa oportunidade histórica única e benéfica para ambas as partes, na medida em que empresas de todo o mundo podem aceder ao mercado chinês.

Este evento será patrocinado pelo Ministério do Comércio da República Popular da China e pelo Governo Popular Municipal de Shanghai, contando com a colaboração de organizações internacionais como a Organização Mundial do Comércio, a Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e o Desenvolvimento e, por último, a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial. Por fim, o lugar eleito para a realização desta exposição foi a cidade de Shanghai, que está situada na Zona Económica de Delta do rio Yangtze, e possui uma forte estabilidade e prosperidade económica, onde setores dos serviços estão muito desenvolvidos. Além disso, a afluência de pessoas nos seus aeroportos é muito intensa, já que existe uma rede de voos que liga Shanghai a 282 cidades do mundo.

A notícia de Liu Gehuan enfatiza a organização deste evento, retratando-o como uma grande oportunidade de desenvolvimento para a América Latina e reforça ainda o apoio financeiro oferecido pelo governo chinês aos países em vias de desenvolvimento que desejem participar. Na verdade, a China está empenhada em promover a sua abertura ao exterior e partilhar as conquistas do seu desenvolvimento. Até ao momento, mais de 130 países e regiões e 2 800 empresas já confirmaram a sua presença.

Vejamos agora, mais pormenorizadamente, as expectativas dos seguintes países da América Latina, nomeadamente: o México, o Brasil, a Argentina, o Peru, El Salvador, a Bolívia e a Costa Rica.

  1. México: é um país exportador de alimentos e bebidas a nível global e apresentará 28 marcas de produtos alimentares, contando com a presença de 10 empresas do setor dos serviços. A relação bilateral entre o país asiático e o país sul-americano iniciou-se em 2013 e já se transformou numa associação estratégica. No ano passado, as exportações mexicanas para a China aumentaram 24.2% e a China é já o segundo sócio comercial do México.
  2. Brasil: é o maior produtor e exportador de café e 12 empresas ligadas a este setor participarão no evento chinês, com um objetivo estratégico de aumentar as suas exportações e a visibilidade das suas marcas brasileiras no mercado chinês.
  3. Argentina: à semelhança do Brasil, a China também é o seu segundo sócio comercial e pretende fomentar acordos comerciais, de financiamento e de investimentos com os seus parceiros chineses. As autoridades e empresários argentinos consideram esta exposição de importância global e uma demonstração da abertura comercial do Dragão Asiático ao exterior, daí que não só mais de 30 empresas argentinas vão expor os seus produtos alimentares (como o mel, o azeite e a carne) com também desenvolverão iniciativas de caráter institucional, promovendo a sua cultura.
  4. Peru: desde de 2014 que a China não só é o principal mercado de destino das suas exportações como também é o principal mercado de origem das suas importações. Neste sentido, este projeto poderá dinamizar mais oportunidades comerciais e promover as marcas dos produtos peruanos de alta qualidade. Em 2017, o intercâmbio comercial bilateral entre a China e o Peru teve um crescimento de 22%, num valor de exportações de 11.600 milhões de dólares.
  5. El Salvador: estabeleceu relações bilaterais com a China muito recentemente (21 de agosto de 2018) e tem como objetivo exportar o seu café gourmet e a cana-de-açúcar.
  6. Bolívia: é um país que apresenta uma economia emergente e pretende despertar o interesse e causar boa impressão aos investidores chineses, a fim de que novos produtos possam ser exportados para este mercado. Além disso, os participantes bolivianos nesta exposição irão divulgar a sua cultura e promover o seu setor do turismo, através da divulgação de vídeos de carácter institucional que mostrem a sua riqueza cultural e turística assim como os projetos que se pretendem executar até 2025.
  7. Costa Rica: a sua participação destina-se a dar a conhecer a sua oferta de produtos alimentares e as suas instituições ligadas ao comércio e ao investiment 

Em suma, esta primeira Exposição Internacional de Importação da China será uma oportunidade histórica e única, que permitirá realizar inúmeros acordos e parcerias comerciais, conhecer a riqueza cultural dos países envolvidos e estreitar as suas relações diplomáticas com a China.

Fonte:

Notícia – Título “RESUMEN: Expo Importaciones de China es gran oportunidad de desarrollo para América Latina”; autor Liu Gehuan; consultado em 19 de outubro de 2018.

Site URL: http://spanish.xinhuanet.com/2018-10/22/c_137549039.htm

PROGRAMA: Exposicion Internacional de Importacion de China

Elaborado e desenhado por Dongdao Brand Creative Group e desenvolvido pelo Buró de Exposición Internacional de Importación de China

Sitio web: www.ciie.org