ptzh-CNen

3º Aniversário do Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro

448x

 

Em comemoração do seu 3º aniversário, o Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro vai realizar um conjunto de actividades de 23 de abril a 30 de maio.

O programa de actividades dedicado à cultura chinesa inclui espetáculos de teatro de sombras, a 23 de abril e 16 de maio, workshops, música e dança, conferências e duas exposições: sobre literatura chinesa para a infância e outra caligráfica sobre a presença portuguesa na China.

Programa de Atividades

Exposições:

  • "Sonhos coloridos do Oriente: literatura infantil chinesa" (23 de abril a 18 de maio)
  • “Um Janus Cultural: a complexidade de Macau em exibição caligráfica” (18 de maio a 17 de junho)

Conferências:

  • "Comparative Literature in China Historical Retrospection and Contemporary Orientations", por Wang Ning, professor da Universidade Tsinghua (30 de Abril)
  • " Chinese Music Today", por Han Mei (7 de maio)

Música e Dança:

  • Concerto de música chinesa: “Red Chamber Ensemble in Concert” (7 de maio)
  • Chinese Musical Instruments (7 de maio)
  • Dança do Dragão (16 de maio)

Teatro

  • Teatro de Sombras (23 de abril; 16 de maio)
  • Leituras dramatizadas de contos chineses (23, 24 e 26 de abril; 16 de maio)

Workshops

  • Cultura (23, 24, 26 de abril; 10, 11, 16, 25 e 26 de maio)
  • Caligrafia (23, 24, 26, de abril; 16, 25 e 26 de maio)
  • Cerimónia do Chá (16, 25 e 26 de maio)
  • Artes Marciais (23, 24, 26 de abril; 16, 25 e 26 de maio)
  • Jogos tradicionais (16 de maio)
  • Visita de estudo ao Museu do Oriente (24 de abril)

Atividades

  • Competições Nacionais de Ciência (23, 24 e 26 de abril)
  • Feira Vocacional e Profissional de Aveiro (10 a 11 de maio, Parque de Exposições de Aveiro)
  • UA Intercultural da Universidade de Aveiro (14 a 18 de maio)
  • IV Encontro Multicultural de Albufeira (25 a 26 de Maio, Albufeira)

Para mais informações, consulte o seguinte site:

http://www.ua.pt/iconfucio/

Sessão especial dedicada a Macau na 15ª edição do IndieLisboa

À semelhança do programa especial dedicado ao novo cinema de Macau no ano passado, as sessões especiais do IndieLisboa 2018 vão contar com uma programação especial dedicada à produção cinematográfica de Macau intitulada “Histórias de Macau”.

No passado dia 28 de abril, foram exibidos na Culturgest quatro filmes no âmbito da sessão especial do IndieLisboa dedicada ao território macaense:

  • Between the Lies, uma animação, que explora as consequências da grande fome, na China;
  • Pass On, um documentário sobre o ensino em casa e o testemunho passado à geração seguinte;
  • Illegalist, uma ficção, filmada num deslumbrante preto-e-branco, que descreve a progressiva intolerância para com o trabalho ilegal no território;
  • KaCha, animação sobre um menino que está cheio de medo de se pôr nas mãos de um assustador barbeiro;

No dia 6 de Maio, na Culturgest, será exibida a curta metragem "The Last Roar of a Mother Bear ". Realizada por Doug Chan,"The Last Roar of a Mother Bear " é uma extensão da curta metragem, "The Roar of Mother Bear", exibida no ano passado no programa dedicado ao novo cinema macaense do IndieLisboa.Passada nos anos 90 (e baseada nas memórias do realizador), o filme retrata um polícia obsessivo (interpretado pelo próprio Chan) que procura desvendar a identidade de um assassino cujos homicídios distam onze anos entre si.

Continue a leitura

Conferência "Financing Belt & Road"

1

O Observatório da China esteve presente na Conferência Internacional "Financing Belt & Road", que teve lugar no dia 23 de março de 2018, no Auditório CGD do ISEG, a qual contou com a organização da Associação Amigos da Nova Rota da Seda, a cooperação do ISEG (Escola de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa) e o apoio do Secretário de Estado para a Internacionalização de Portugal.

 

Veja o video da conferência em: https://youtu.be/neIn3HkhfN4

Semana da Cultura Asiática 2018

 

28276404 1575500609152995 4758467196323796138 nA Liga de Estudos Asiáticos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, constituída por alunos da licenciatura em Estudos Asiáticos da FLUL, promove, de 12 a 20 de Março, a sexta edição da Semana Cultural Asiática.

Esta iniciativa, criada em 2013, tem como principal objectivo dar a conhecer as diferentes cultura asiáticas, no que diz respeito as suas línguas tradições e história proporcionando não só uma vertente académica, mas também lúdica.

O evento é aberto a todo o público em geral e a entrada é gratuita. Durante esta semana, cada dia será dedicado à difusão da cultura de um país asiático, através de várias actividades tais como a venda de comida típica de cada país representado ou região, a escrita de nomes nas línguas respectivas, pinturas faciais, pinturas em henna, entre muitas outras propostas que reflectem a cultura do respectivo país:

Dia 12 – Dia da Tailândia

Dia 13 – Dia da Índia

Dia 14 – Dia da China

Dia 15 – Dia da Coreia

Dia 19 – Dia do Japão

Dia 20 – Dia da Indonésia

Para mais informações consulte a página do evento no Facebook

 

Actividades no Museu do Oriente em que os pais também são protagonistas

um giro pelo mundo 1

Oficinas para crianças em Março

Actividades no Museu do Oriente em que os pais também são protagonistas

Imagens das actividades: https://we.tl/PcUgWE2XCf

 

No mês que lhes é dedicado, os pais são os convidados de honra das oficinas do Serviço Educativo do Museu do Oriente, que exploram culturas longínquas e desafiam a criatividade de toda a família a partir das colecções do museu.

No primeiro sábado do mês, dia 3 (com repetição a 20 de Março), “Fio a Fio!”, para bebés até 12 meses, desvenda histórias de novelos de lã, seda ou linho, numa viagem pelos sons, formas, cores e texturas do museu.

“De Estação em Estação!”, nos dias 10 ou 27 de Março, é dirigida a bebés dos 12 aos 24 meses e convida a uma viagem pelas quatro estações do ano. Do som das aves na Primavera, ao quentinho do sol no Verão, passando pelas folhas douradas no Outono e, no Inverno, os flocos da fria neve que caem, esta oficina dramatizada alia a componente teatral a uma diversidade de estímulos e desafia à participação.

Pé ante pé, famílias com crianças entre os 3 e os 5 anos, vão poder descobrir a quem pertencem as pegadas encontradas museu afora, na oficina “Pés e Pegadas” que se realiza no dia 17.

Já no dia 24, “Pássaros de Mil Cores” debruça-se sobre as aves reais e míticas que habitam estas galerias, como o grou do Japão para atrair paz e longa vida, o pavão que do Vietname traz prosperidade, ou o corvo que anima as lendas de Lisboa. Também neste dia, o museu convida as crianças entre os 7 e os 12 anos a fazerem “Um Giro pelo Mundo”, tal como a aventura de Phileas Fogg, no clássico de Júlio Verne.

 

Domingo, 25 de Março, é dia de descobrir o que diriam “Se Estas Paredes Falassem…”, numa visita-jogo, de participação gratuita, para famílias com crianças a partir dos 6 anos, para descobrir a caricata história do edifício onde se situa o museu. Desde a ideia do arquitecto, até à função original do edifício, que antes era um armazém de bacalhau, convidam-se as famílias a folhear o álbum de memórias do Museu do Oriente.

Oficina “Fio a Fio!”

Tapete Encantado

3 ou 20 de Março

Horário: 11.30-12.15

Público-alvo: bebés até 12 meses, acompanhados por um ou dois adultos

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

Oficina “De Estação em Estação!”

Primeiros Passos

10 ou 27 de Março

Horário: 11.30-12.00

Público-alvo: bebés dos 12 aos 24 meses, acompanhados por um adulto

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

Oficina Pés e Pegadas

Primeiras Descobertas

17 de Março

Horário: 11.30-12.30

Público-alvo: 3-5 anos, acompanhadas por um adulto

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 20

Oficina “Pássaros de Mil Cores”

Sábados em Família

24 de Março

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: crianças a partir dos 6 anos

Preço: 4 €/ participante (adulto ou criança)

Participantes: mín. 10, máx. 24

 

Oficina “Um Giro pelo Mundo”

Sábados em Oficina

24 de Março

Horário: 15.00-17.00

Preço: 5 €/ participante

Participantes: mín. 8, máx. 15

Visita-jogo “Se Estas Paredes Falassem…”

25 de Março

Horário: 11.00-12.30

Público-alvo: crianças a partir dos 6 anos acompanhada por adulto

Participantes: máx. 20

Gratuito

www.museudooriente.pt

Informações adicionais para a Comunicação Social:

LOGOTIPO LPM 30 ANOS 15 01 16

Margarida Pereira

961 334 957

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

"A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood" | Conferência encerra ciclo sobre Macau no Museu do Oriente

colonia

“A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood”

 

Conferência encerra ciclo sobre Macau no Museu do Oriente

“A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood” é a conferência que precede a apresentação do filme “Irmãs” de Tracy Choi, no encerramento do ciclo “Cinema Macau. Passado e presente”, no dia 18 de Fevereiro, às 16h00, no Museu do Oriente, com entrada livre.

Durante o Estado Novo, Macau foi a colónia portuguesa mais proeminente na ficção cinematográfica norte-americana, servindo de localização para mais de uma dúzia de enredos de crime e aventura. Para isto contribuíram, não apenas a sua ancestral reputação como antro de vícios exóticos e o típico fascínio de Hollywood por narrativas orientalistas, mas também o contexto geopolítico desse território. A maioria dos filmes foram produzidos na década de cinquenta, aproveitando o facto de a colónia se encontrar simultaneamente situada numa fronteira da guerra fria e dominada por uma potência fora do sistema de Bretton Woods, elementos propícios a tramas de intriga em torno de espionagem e contrabando.

Nesta palestra, Rui Lopes - doutorado em História Internacional e investigador do investigador do Instituto de História Contemporânea da NOVA FCSH - analisa o contexto em que emergem essas produções e as implicações do modo como apresentam o colonialismo português em Macau.

Ao longo de sete sessões temáticas no Museu do Oriente, com curadoria da jornalista e crítica de cinema Maria do Carmo Piçarra, “Cinema Macau. Passado e presente” procurou refletir sobre a pluralidade de olhares sobre Macau durante o século XX, bem como após a transição para a administração do território pela China. O ciclo prolonga-se agora até 26 de Fevereiro, na Cinemateca Portuguesa.

Cinema Macau. Passado e Presente

18 de Fevereiro

Auditório do Museu do Oriente

Gratuito (mediante levantamento de bilhete no próprio dia)

CONFERÊNCIA | 16.00

«A REPRESENTAÇÃO DE MACAU COLONIAL NO CINEMA DE HOLLYWOOD DURANTE OS ANOS 50»

Por Rui Lopes, investigador do Instituto de História Contemporânea da FCSH da Universidade Nova de Lisboa


HISTÓRIAS DE MACAU III | 17.00

Irmãs (97’), Tracy Choi, 2016

Filme legendado em inglês.

www.museudooriente.pt

Informações adicionais para a Comunicação Social:

LOGOTIPO LPM 30 ANOS 15 01 16

Margarida Pereira

961 334 957

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Mais artigos...