ptzh-CNen

Casa Branca vai recorrer da decisão do tribunal sobre aplicação TikTok.

A Casa Branca disse que vai respeitar a ordem judicial que impede a proibição da aplicação TikTok nas plataformas de descarregamento de aplicações móveis nos Estados Unidos, mas anunciou que vai recorrer da decisão. Um juiz norte-americano decidiu no domingo manter a aplicação TikTok nas plataformas de download de aplicações móveis, suspendendo assim a ordem dada pela administração de Donald Trump.

As autoridades norte-americanas indicaram em comunicado que se trata de “uma injunção preliminar” e asseguraram que vão recorrer da decisão. “O Governo cumprirá a ordem judicial e tomou medidas imediatas para o fazer, mas pretende defender vigorosamente a ordem executiva” que ordenou a proibição, pode ler-se na nota oficial, divulgada no domingo. Se tudo tivesse corrido como planeado, a aplicação deixaria de estar disponível nas lojas da Apple e Google a partir da meia-noite desta segunda-feira — não poderia ser descarregada por novos utilizadores, mas quem já a tivesse no telemóvel continuaria a poder usá-la, ainda que não pudessem actualizá-la.

O secretário do Comércio, Wilbur Ross, acrescentou que vai continuar os seus “esforços para a implementação” da decisão de Trump. A ordem executiva é “totalmente coerente com a lei e promove interesses legítimos de segurança nacional”, insistiu.

O juiz federal do Distrito de Columbia, Carl Nichols, deferiu assim o pedido dos advogados da firma chinesa, que pretendiam um bloqueio temporário da possível proibição, enquanto as duas partes se enfrentam em tribunal.

Ler artigo completo em: Público

O secretário do Comércio, Wilbur Ross, acrescentou que vai continuar os seus “esforços para a implementação” da decisão de Trump. A ordem executiva é “totalmente coerente com a lei e promove interesses legítimos de segurança nacional”, insistiu.

 
Media player poster frame

O juiz federal do Distrito de Columbia, Carl Nichols, deferiu assim o pedido dos advogados da firma chinesa, que pretendiam um bloqueio temporário da possível proibição, enquanto as duas partes se enfrentam em tribunal.