ptzh-CNen

Abrandamento das importações chinesas aos EUA pode comprometer objetivos do acordo comercial.

A China tem vindo a abrandar o ritmo das suas encomendas aos EUA, dificultando o progresso no sentido de atingir os objetivos do acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo.

O valor dos produtos importados pelos chineses aos EUA diminuiu no passado mês, sobretudo à boleia da queda nos produtos energéticos. A China comprometeu-se no acordo comercial a comprar mais de 170 mil milhões de dólares, ou 145 mil milhões de euros, em importações aos americanos durante um ano. Até ao final de agosto, apenas 32,8% desta meta havia sido já cumprida.

Em agosto, Pequim importou menos 24% de bens energéticos do que havia feito em julho, além de menos 40% de carne de porco. Apesar disso, as importações de petróleo norte-americano deverão recuperar nos próximos meses e nalguns bens, como os rebentos de soja, as exportações americanas para a China cresceram 300% em agosto, fruto do começo da colheita do bem nas explorações dos EUA. Os valores de referência para as trocas comerciais entre americanos e chineses fazem parte da primeira fase do acordo entre os dois países, um compromisso que ambos os países reforçaram em agosto, apesar das tensões evidentes entre ambos.

Ler artigo completo em: Jornal Econômico

A China tem vindo a abrandar o ritmo das suas encomendas aos EUA, dificultando o progresso no sentido de atingir os objetivos do acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo, reporta a Bloomberg.