ptzh-CNen

Americanos e chineses dominam. As 25 maiores empresas de armamento no mundo.

No ano passado, a indústria americana de armamento representou 61% das vendas dos 25 maiores produtores mundiais, à frente da China, com 15,7%, de acordo com o relatório do Sipri (Instituto Internacional de Estudos para a Paz), que tem sede em Estocolmo.

O volume total de negócios das 25 empresas cresceu 8,5% e alcançou 361 mil milhões de dólares (cerca de 297 mil milhões de euros) , cinco vezes mais do que o orçamento anual das missões para a manutenção da paz da ONU.

Seis empresas americanas e três chinesas aparecem no top 10. A única empresa europeia entre os primeiros lugares é a britânica BAE Systems, com a 7ª posição.

Para Lucie Béraud-Sudreau, diretora do programa de armamento e gastos militares do Sipri, "esta classificação reflete o fato de a China e Estados Unidos serem os países que mais investem em armamento, com empresas adaptadas para isto".

Se o domínio americano não é novo, no caso da China, onde a receita das principais empresas cresceu quase 5% num ano, "este aumento corresponde às reformas de modernização do Exército Popular de Libertação desde 2015", explica a pesquisadora à AFP.

Os grupos americanos Lockheed Martin, Boeing, Northrop Grumman, Raytheon e General Dynamics são os cinco primeiros colocadas no ranking mundial. As chinesas AVIC, CETC e Norinco ocupam o 6º, 8º e 9º postos, respetivamente.

"A Europa continua dispersa (...) mas ao unir as empresas europeias, elas alcançariam o mesmo nível que as dos Estados Unidos e China", afirma Béraud-Sudreau.

O fato de a Airbus (europeia, 13ª posição) e a Thales (francesa, 14ª) terem maior presença no exterior (em 24 países cada) - à frente da americana Boeing - explica-se sobretudo porque "as empresas europeias de armamento estão mais internacionalizadas" do que em outros setores, considera a diretora do Sipri.

A entrada do Médio Oriente e a queda russa
Pela primeira vez, uma empresa do Médio Oriente - EDGE dos Emirados Árabes Unidos, resultado da fusão de quase 25 grupos - integra o top 25.

A EDGE, que apare na 22.ª posição, "ilustra bem como a combinação de uma forte demanda nacional de produtos e serviços militares, aliada ao desejo de ser mais independente de fornecedores estrangeiros, é o motor do crescimento das empresas de armamento no Médio Oriente", afirma Pieter Wezeman, outro pesquisador do instituto.

O Sipri destaca ainda a presencia do grupo francês Dassault, que subiu da 38.ª para a 17.ª posição, graças às exportações do caça Rafale em 2019.

Duas empresas russas, Almaz-Antey (15º) e United Shipbuilding (25º) estão também nesta lista, assim como a italiana Leonardo, 12.ª do mundo.

Lucie Béraud-Sudreau recorda que as empresas russas estavam em melhor posição há alguns anos, graças a um ambicioso programa de modernização de equipamentos, mas o impulso registou "forte desaceleração" recentemente.

Isto deve-se, de acordo com a pesquisadora, às sanções da comunidade internacional impostas a Moscovo após a anexação da Crimeia em 2014 e à queda dos preços no setor de energia, dos quais depende a economia russa.

"A Rússia teve que desacelerar os esforços de modernização de equipamentos militares (...) com menos pedidos do Estado russo, menos projetos iniciados, e portanto uma queda da receita", resume.

 

Diário de Notícias