ptzh-CNen

Comerciantes de Macau duvidam que vaga inicial de vistos turísticos tragam retomada econômica.

Na rua Pedro Nolasco da Silva, a poucos metros do Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong e da sede da Casa de Portugal em Macau, o senhor Lam, dono de uma loja dos famosos chás de bolhas, tem o seu estabelecimento praticamente sem clientes e não augura grandes mudanças.

"A meu ver, o valor de negócio não vai rapidamente aumentar porque os vistos são só para a província de Guangdong e a maioria dos turistas vem para Macau só para jogar", conta à Lusa.

A emissão de vistos já tinha sido iniciada na cidade vizinha de Zhuhai, mas agora estendeu-se a toda a província de Guangdong e, assim, mais de 100 milhões de pessoas passam a estar virtualmente isentas de uma quarentena obrigatória de 14 dias após entrarem em Macau.

"A abertura de vistos é uma boa notícia, mas não sei se é fácil serem aprovados", disse.

Neste momento, admite, as suas receitas dão apenas para pagar o aluguer do pequeno espaço, o salário aos funcionários, eletricidade e água.

Macau foi dos primeiros territórios a ser atingido pela pandemia e, apesar de só ter identificado 46 casos e de não ter registado qualquer transmissão comunitária, a economia está há mais de seis meses praticamente paralisada, fruto das restrições à entrada no território.

 

Ler artigo completo em: SAPO