ptzh-CNen

Macau inicia vacinação de vacinas contra COVID-19 fabricadas no continente.

A Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) da China iniciou nesta terça-feira a vacinação usando vacinas contra COVID-19 fabricadas no continente em um grande hospital público local, com o Chefe do Executivo da RAEM, Ho Iat Seng, sendo o primeiro a ser vacinado.

Vários funcionários importantes do governo da RAEM também foram vacinados, juntamente com representantes de grupos prioritários, incluindo trabalhadores da linha de frente dos esforços anti-epidemia e grupos que de alto risco em termos de exposição ocupacional, incluindo polícia, funcionários da alfândega, hotéis e aeroportos, bem como trabalhadores médicos.

Essas pessoas tomarão a segunda dose da vacina depois de três a quatro semanas.

Funcionários do governo da RAEM assumiram a liderança na vacinação em um esforço para transmitir sua confiança nas vacinas, disse Ao Ieong U, secretária de Assuntos Sociais e Cultura da RAEM, na cerimônia de lançamento, pedindo que os moradores de Macau sejam vacinados. O primeiro lote das vacinas contra COVID-19 inativadas fabricadas no continente chinês foi entregue à RAEM no sábado graças ao apoio das autoridades centrais.

Na segunda-feira, Macau abriu o sistema de reserva para a vacinação ao público. Grupos prioritários para a vacinação podem começar a fazer reservas online na segunda-feira e começar a vacinação na terça-feira, de acordo com o Centro de Resposta e Coordenação do Novo Coronavírus de Macau.

Outros portadores de documentos de identidade de Macau podem começar a fazer as reservas a partir do meio-dia de terça-feira e começar a vacinação após 22 de fevereiro, informou o centro.

Se os detentores de identidade de não-Macau hospedados na RAEM podem ser cobertos pelo esquema de vacina ou não depende da implantação da vacinação nas duas primeiras etapas e do número de vacinas disponíveis, disse o centro.

O centro anunciou em janeiro que a RAEM ofereceria vacinas gratuitas aos portadores de identidade de Macau, funcionários de outros lugares que trabalham na RAEM e estudantes de fora que estudam em Macau.

Até segunda-feira, nenhum caso da COVID-19 transmitido localmente havia sido notificado em Macau por mais de 10 meses. Quarenta e oito casos confirmados foram registados na RAEM.

Xinhua