ptzh-CNen

Sérvia conta com apoio da China para liderar vacinação na Europa.

O presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, diz que o status do país de líder da Europa continental na distribuição de vacinas é resultado da estratégia de olhar tanto para o leste quanto para o oeste.

O êxito do país dos Bálcãs surpreende quando a União Europeia enfrenta atrasos na vacinação. No entanto, o histórico da Sérvia de equilibrar interesses geopolíticos dá frutos em um momento crítico.

A Sérvia tem sido uma ponte importante para o acesso da China à Europa, enquanto o país também é um tradicional aliado da Rússia e aspira a aderir à UE. Essas relações permitiram diversificar as fontes de vacinas e inocular uma proporção maior da população do que qualquer outra nação da Europa depois do Reino Unido.

A Sérvia já vacinou 6,8% de seus 7 milhões de habitantes, mais do que o dobro da proporção na UE.

A maior parte das 1,1 milhão de doses importadas pelo governo sérvio até agora foi fornecida pela estatal chinesa Sinopharm. Vucic diz que sua recusa em se unir a um coro de líderes que criticaram a China em uma conferência de segurança na Alemanha o ajudou a estabelecer boas relações com o ministro de Relações Exteriores, Wang Yi.

“Eu fui o único que não acusou a China de nada, por isso tivemos uma reunião fraterna – o ministro de Relações Exteriores e eu – e, desde então, começamos a receber apoio chinês em relação ao coronavírus e tudo mais”, disse Vucic em pronunciamento televisionado à nação na semana passada.

A rápida distribuição de vacinas para combater a Covid-19 em relação à UE destaca a tensão no continente, e também as possíveis consequências geopolíticas em sua região mais volátil.

A abordagem sérvia já tem seguidores na UE: a vizinha Hungria se tornou o primeiro membro do bloco a aprovar vacinas fabricadas pela Rússia e China.

O objetivo da Sérvia é ingressar na UE, embora com um eleitorado já dividido quanto à adesão, e a pandemia poderia empurrar o país para a órbita de potências rivais. Ao mesmo tempo, o governo sérvio prometeu doações de vacinas ao Kosovo e à Bósnia-Herzegovina, expondo novamente as divisões na ex-Iugoslávia que alimentaram as guerras da década de 1990.

A UE se comprometeu a fornecer a seis possíveis membros nos Bálcãs Ocidentais – incluindo a Sérvia – 70 milhões de euros (US$ 85 milhões) para comprar vacinas contra a Covid, mas as entregas enfrentam atrasos.

MoneyTimes