ptzh-CNen

UE quer envolvimento de EUA na OMC em meio a desafios da China

A União Europeia planeja reforçar os apelos aos Estados Unidos para que alinhem suas prioridades de política externa com o bloco, sob o argumento que uma frente comum ocidental teria mais chances de levar a China a buscar políticas comerciais mais justas.

Quando a UE divulgar sua nova estratégia comercial na próxima semana, o bloco vai admitir que os EUA tinham preocupações válidas quando bloquearam a capacidade da Organização Mundial do Comércio de julgar disputas internacionais, e a reforma do órgão com sede em Genebra deve levar isso em consideração, segundo minuta da proposta vista pela Bloomberg.

A UE está revendo suas prioridades comerciais quando procura transformar fundamentalmente a economia para cumprir novos objetivos ambientais e digitais, ao mesmo tempo que aborda as crescentes desigualdades causadas pela globalização. Mas o projeto diz que um dos principais objetivos da UE será garantir que a China cumpra suas obrigações internacionais.

“A rápida ascensão da China, demonstrando ambições globais e perseguindo um modelo capitalista estatal distinto, mudou fundamentalmente a ordem econômica e política global”, de acordo com a revisão da política comercial. “Isso representa desafios crescentes para o sistema de governança econômica global estabelecido.”

Um porta-voz da missão da UE em Genebra disse que os comentários sobre a minuta do documento ainda estão em discussão e a publicação final está agendada para 17 de fevereiro. Um e-mail enviado a um porta-voz da Comissão Europeia com pedido de comentários não foi respondido de imediato.

Em 2019, o órgão de apelação da OMC, principal fórum para resolver divergências comerciais globais, ficou impossibilitado de decidir sobre novas disputas. Isso aconteceu porque o governo do ex-presidente Donald Trump se recusou a considerar quaisquer indicados para preencher vagas no painel durante os dois anos anteriores.

Com isso, as relações comerciais entre EUA e a China, dois dos três maiores membros, são conduzidas principalmente fora da OMC, segundo o documento.

“Um dos principais fatores da crise é que a adesão da China à OMC não levou à sua transformação em uma economia de mercado”, segundo o documento da UE. “O nível de abertura dos mercados da China não corresponde ao seu peso na economia global, e o estado continua a exercer uma influência decisiva no ambiente econômico da China.”

A revisão da política destaca a urgência de agir, pois 85% do PIB mundial virá de fora da UE em 2024, e a economia chinesa deve crescer 4,7% ao ano nos próximos 10 anos.

‘Aumentar a confiança’

A UE disse concordar com algumas das preocupações que o governo Trump levantou com relação ao funcionamento do órgão de apelação e instou os membros a considerarem uma proposta de 2019 elaborada em processo liderado pelo então presidente do órgão de solução de controvérsias da OMC, David Andador.

A UE pediu que o presidente dos EUA, Joe Biden, reverta a postura do governo Trump que recusou negociações para reformar o sistema de solução de controvérsias.

Exame