ptzh-CNen

Ano do boi. A China à espera de deixar a pandemia para trás.

O boi é o segundo signo do zodíaco chinês. Segundo a mitologia, foi o Imperador de Jade que organizou uma corrida para decidir quais os 12 animais que entravam no zodíaco chinês - por ordem de chegada. Ora, o boi ia terminar primeiro, mas acabou por ser o rato, que antes o convencera a dar-lhe boleia, quem saltou por cima da sua cabeça e chegou à meta primeiro. Agora que o Ano do Rato está a chegar ao fim, com o Boi a suceder-lhe no dia 12, a China - e o mundo - bem precisa para enfrentar uma pandemia e a crise económica consequente da fiabilidade do Boi, um signo cujos nativos se caracterizam por serem honestos e trabalhadores incansáveis, como o animal que os representa.

Mas será boi ou búfalo? "Em relação aos animais, na língua chinesa existe sempre uma designação geral para uma espécie. Por exemplo, a palavra "niu" serve para designar todos os animais com características de "niu". Depois, o ideograma "niu" é antecedido por um outro que funciona como adjetivo para distinguir diversas variedades da mesma espécie: shuiniu/búfalo (niu de água), huangniu/boi (niu de cor amarela), douniu/touro (niu de luta), maoniu/iaque (niu de "pelos compridos"), nainiu/vaca leteira (niu de leite). A designação geral recebe também outros adjetivos para distinguir o macho da fêmea, por exemplo, gongniu refere-se a todos os nius machos, búfalo, boi, touro, iaque, enquanto muniu, búfala, vaca....", explica Wang Suoying, a presidente da Associação Portuguesa dos Amigos da Cultura Chinesa.

Para a académica, doutorada em Linguística pela Universidade Nova de Lisboa e a viver em Portugal desde 1991, "em português não existe tal designação geral (apesar de podermos entender que o niu significa gado bovino), pelo que a sua tradução é liberal para português. Muitas pessoas preferem usar a expressão "Ano do Búfalo", pois o búfalo é um animal sobretudo asiático e gosta de mergulhar nas águas enquanto não trabalha, apresentando uma cena poética e exótica. Os chifres do búfalo costumam ser mais longos e curvados, com grande valor estético e artístico. A escrita mais antiga de niu é mesmo o desenho que reproduz a cabeça do animal com chifres longos e curvados", explica. Os signos chineses mudam de 12 em 12 anos - cuidado se nasceu em janeiro ou início de fevereiro porque pode apanhar a transição nos signos chineses. Este é o Ano do Boi (ou Búfalo) de metal. Cada um dos 12 animais do zodíaco chinês - Rato, Boi, Tigre, Coelho, Dragão, Serpente, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão e porco está associado a um elemento: madeira, fogo, terra, metal e água (12x5=ciclos de 60 anos, logo o último Ano do Boi de Metal foi em 1961).

Pequenos, grandes, dourados, brancos e pretos ou coloridos, de peluche ou papel. Na banca de Gong Linhua, em Wuhan, há bois - ou búfalos - para todos os gostos. O que quase não há são clientes no mercado da cidade chinesa onde há pouco mais de um ano começou a pandemia de covid-19. O cenário cheio de lanternas vermelhas assinala a época festiva, mas falta a agitação em torno das bancas de decorações e das carrinhas de comida de rua.

"É a primeira vez em 20 anos neste negócio que estou nesta situação", explicou à Associated Press. As vendas de decorações para o ano novo lunar têm sido tão más, que a vendedora, de 60 anos, admite mesmo reformar-se mais cedo se a economia não recuperar.

E a China, onde a pandemia começou mas que, com rigorosas medidas de contenção, conseguiu manter o vírus muito mais controlado do que a maior parte dos outros países, até viu a economia crescer uns espantosos 6,5% no último trimestre de 2020 - fazendo subir a média do ano para um crescimento de 2,3% do PIB. Para 2021, em que se assinala o centenário do Partido Comunista Chinês, a previsão é que cresça 8,2% - um valor de fazer inveja, mas mesmo assim sem chegar aos dois dígitos a que habituou o mundo.
Apesar de tudo, também em Portugal, a comunidade chinesa está preocupada. " No zodíaco chinês, o niu, aliás, o búfalo ou boi, é considerado laborioso, empenhado, com os pés bem assentes no chão. Olhando para a história, em 2009, Ano do Búfalo anterior, a pandemia de gripe A (H1N1) tirou muitas vidas humanas e, com a luta árdua durante todo o Ano do Búfalo, a humanidade ganhou a vitória, oficialmente declarada pela Organização Mundial da Saúde um ano depois, no Ano do Tigre", recorda a professora Wang. Para a docente da Universidade de Aveiro e investigadora do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa, "o Ano do Búfalo, 2021, será um ano de trabalho em que a humanidade aprende a conviver com a pandemia, com o cumprimento rigoroso das medidas profiláticas".

Diário de Notícias