ptzh-CNen
  • frnspq2
  • chinamacaufonte
  • selosptchina
  • Iniciativas do Observatório da China: Ópera de Pequim.
  • Biblioteca Digital para a investigação científica e o conhecimento da história da China.
  • Selos comemorativos: 40 anos das Relações Diplomáticas entre a República Portuguesa e a República Popular da China, com o apoio da Embaixada da China em Portugal.

Estudantes de medicina de Bangladesh recebem doses da vacina de COVID-19 doadas pela China.

Eles se entreolharam e sorriram enquanto participavam de uma cerimônia para receber as doses da vacina de COVID-19 doadas pela China a Bangladesh.

Eles são alunos da Faculdade de Medicina de Daca, líder em Bangladesh.

Ananya Salam Samata, a primeira a receber a vacina chinesa, é aluna do último ano da Faculdade de Medicina de Daca.

Ela disse que se sentiu muito privilegiada por ser a primeira pessoa vacinada com a vacina chinesa contra COVID-19 no país.

"Estou muito feliz", disse ela em sua reação imediata logo após receber a vacina. "É um dia memorável para mim".

Como parte do estágio, ela disse que atendem pacientes no hospital regularmente.

"Devido ao COVID-19, não poderíamos fazer isso corretamente. Espero que possamos atender novamente os pacientes, já que somos vacinados. Nossa vida educacional será a mesma de antes, pelo menos até certo ponto".

Outros dois alunos da Faculdade de Medicina de Daca, que receberam suas primeiras doses junto com Ananya, também expressaram sua profunda satisfação por terem a oportunidade de receber a vacina chinesa.

"Estou muito feliz por receber a vacina chinesa", disse Mollah Niyamul Haque.

"Obrigado ao governo chinês por fornecer a vacina e ao ilustre primeiro-ministro de Bangladesh, por fornecer primeiro para as linhas de frente médicas".

Eles expressaram sua gratidão à China por apoiar seu país com a doação da vacina de COVID-19.

"Estou muito feliz por ter recebido a vacina da China e espero que funcione muito bem", disse Shaheen Ahmed.

"Estou bem agora. Sinto que se todos tomarem a vacina, todos ficarão bem e poderão continuar as aulas e provas", disse ele.

"Então, muito obrigado China".

A cerimônia, realizada na Faculdade e Hospital de Medicina de Daca na terça-feira e com a presença do ministro da Saúde de Bangladesh, Zahid Maleque, e outras autoridades, aconteceu depois que Bangladesh recebeu seu segundo lote da vacina doada pela China.

Após a cerimônia, cerca de 1.000 alunos do último ano das quatro principais faculdades de medicina de Bangladesh, sendo a Faculdade de Medicina de Daca, Faculdade de Medicina Shaheed Suhrawardy, Faculdade de Medicina Sir Salimullah e Faculdade de Medicina Mugda, com seus campi localizados na capital Daca, receberam suas doses da vacina chinesa.

O ministro da Saúde disse que eles decidiram administrar as doses de vacina fornecidas pela China para aqueles na linha de frente como o grupo prioritário.

"Temos que vaciná-los porque eles vão prestar atendimento em vários hospitais depois de concluírem o estágio", disse ele em discurso durante a cerimônia.

Ele agradeceu à China por doar as doses da vacina para Bangladesh e expressou a esperança que Bangladesh possa adquirir mais vacinas da China futuramente.

O regulador de medicamentos de Bangladesh autorizou no dia 29 de abril o uso emergencial da vacina Sinopharm de COVID-19 no país, dias depois que Daca suspendeu a primeira dosagem da vacina Oxford-AstraZeneca em uma crise de abastecimento.

Na semana passada, a China anunciou a doação do segundo lote de vacinas de COVID-19 para Bangladesh.

A doação foi feita depois que o conselheiro de estado e ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, conversou por telefone com o ministro das Relações Exteriores de Bangladesh, A.K. Abdul Momen, na noite de 21 de maio.

O anúncio foi feito apenas nove dias após a chegada da primeira doação de vacinas da China para Bangladesh.

A embaixada chinesa mostrou esperança que a chegada das vacinas chinesas ajude o governo e a população de Bangladesh a construir uma forte linha de defesa contra a epidemia.

A China anunciou recentemente que está disposta a fornecer o apoio necessário para que Bangladesh e outros países do sul da Ásia lutem contra a epidemia futuramente.

Xinhua