ptzh-CNen
  • frnspq2
  • 26918
  • fsdfsdfsd
  • 263228288 10160123526477806 8791335285956277877 n
  • 71824811 10157835189817806 4501859869262872576 n
  • naom 5c025041c336a
  • 1
  • 519130 gettyimages1302522749 65920 crop
  • Iniciativas do Observatório da China: Ópera de Pequim.
  • Biblioteca Digital para a investigação científica e o conhecimento da história da China.
  • Selos comemorativos: 40 anos das Relações Diplomáticas entre a República Portuguesa e a República Popular da China, com o apoio da Embaixada da China em Portugal.
  • A III CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE COOPERAÇÃO PORTUGAL-CHINA realizou-se a 14 e 15 de Dezembro de 2021.
  • Comemorações do 70º aniversário da Fundação da República Popular da China, em Lisboa.
  • Artigo do Presidente do Observatório da China Dr. Rui Lourido: "Relações Portugal-China são baseadas no interesse comum e exemplares". Clicar na imagem para ter acesso direto ao artigo em Português.
  • O Centro Cientifico e Cultural de Macau organiza uma conferência no dia 28 de Março de 2022 sobre várias temáticas relacionadas com a China e que contará com a presença e intervenção do presidente do Observatório da China, Dr. Rui Lourido. Clicar na imagem para ter acesso ao programa completo.
  • "A China ultrapassou os Estados no que concerne a investigação científica de grande impacto", artigo do Chemistry World (em inglês). Clicar na imagem para ler artigo.
  • Home
  • Blog
  • Relações Portugal-China são baseadas no interesse comum e exemplares

Relações Portugal-China são baseadas no interesse comum e exemplares

 

Portugal e a China perfazem 43 anos de relações diplomáticas, com o seu estabelecimento a 8 de fevereiro de 1979. Portugal orgulha-se de ser a nação europeia que mantém as relações de amizade mais longas (desde o século XVI) com a China, bem como de ter sido pioneira na difusão da sofisticada e avançada civilização chinesa às restantes nações ocidentais, o que viria a influenciar a moda europeia, com um gosto à chinesa – a chinoiserie.

Os sucessos civilizacionais da democracia socialista chinesa, ao ter o povo no centro da ação política do governo da China, permitiram o feito histórico de retirar 850 milhões de habitantes da pobreza (com o acesso universal ao trabalho, saúde, habitação e educação). Com o desenvolvimento económico, os chineses ampliaram a sua abertura ao mundo (aceitando mais responsabilidades no apoio às agências das Nações Unidas) e foram exemplares no combate à pandemia de Covid-19 (com um número incrivelmente baixo de mortes e mesmo de infetados).

As relações entre os dois países têm se beneficiado da abertura da China e são baseadas no interesse comum e descritas pelos respetivos governos como exemplares. As autoridades portuguesas têm se empenhado em aprofundar as suas relações com a China, nomeadamente, com visitas, ao mais alto nível, dos presidentes da república e de membros do Governo de Portugal – de Ramalho Eanes a Mário Soares, de Jorge Sampaio a Cavaco Silva (visita que acompanhei na qualidade de historiador), e do atual presidente Marcelo Rebelo de Sousa. Portugal recebeu a visita de estado do presidente da China, Xi Jinping, em dezembro de 2018. Durante a visita foram assinados, pelos dois países, 17 acordos de cooperação (incluindo 10 memorandos de entendimento), abrangendo múltiplas áreas. Da cultura às áreas financeira e empresarial (energia, comércio e serviços, transportes, novas tecnologias com o 5G e o Starlab – laboratório nos domínios do mar e do espaço). Destacamos o acordo de participação na “Nova Rota da Seda”, que potenciará a cooperação bilateral em mercados terceiros, e valorizará o Porto de Sines e a sua ligação à rede ferroviária transeuropeia e eurasiática, essenciais para Portugal ganhar uma nova centralidade na economia europeia.

Neste âmbito, em 2021, realizou-se uma conversa telefónica entre o presidente da China, Xi Jinping, e o presidente Português, Marcelo Rebelo de Sousa, na qual foi reafirmada a importância da Parceria Estratégica Portugal-China, assinada em 2005. Foi ainda reconhecido o apoio inestimável da China no combate ao Covid-19, quer na divulgação internacional da descodificação do genoma do Sars-CoV-2, quer no rápido envio de materiais de proteção à saúde.

Esta parceria permitiu, apesar da pandemia, que as trocas comerciais entre a China e Portugal, de janeiro a novembro de 2021, aumentassem cerca de 27% face ao ano anterior, atingindo US$ 805,093 bilhões, sendo que as exportações da China foram de US$ 481,581 bilhões e as importações da China de US$ 323,512 bilhões[1].

Os acordos nas áreas da ciência e do ensino superior foram reforçados, a 10 de dezembro de 2021, pelos ministros da Ciência de ambos os países. Entretanto, já tinham sido criados cinco institutos Confúcio em Portugal (Lisboa, Porto, Braga, Aveiro e Coimbra, com o apoio das respetivas universidades públicas), com cerca de 30 professores chineses (suportados pelo governo chinês) que dão aulas de chinês, simultaneamente, nas universidades e em 30 escolas secundárias públicas.

A sociedade civil tem também uma atividade muito diversificada, designadamente na cultura e na investigação. Devido ao serviço público que presta em nível internacional destaco a Biblioteca Digital Macau-China “Descrições de Macau-China dos Séculos XVI ao XIX”[2], a iniciativa do Observatório da China, em parceria com a Biblioteca Nacional de Portugal e com o apoio da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, e o patrocínio da Fundação Macau. Este novo sítio da web disponibiliza mais de 200 mil páginas com as descrições e a cartografia portuguesas, dos séculos XVI ao XIX, relativas a Macau e à China, essenciais para a compreensão do relacionamento entre o Ocidente e a China, e de apoio a estudantes, investigadores e a leitores de todo o mundo.

As televisões públicas da China (CCTV) e de Portugal (RTP) tem vindo a reforçar as relações com a retransmissão de programas de divulgação de ambos os países, em especial das respetivas tradições e culturas, com destaque para a transmissão em direto das cerimónias de abertura e de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno em Beijing 2022.

Em nível cultural, o Ano Novo Chinês tem sido comemorado, desde 2014, em várias cidades portuguesas, em especial nas ruas de Lisboa, com um desfile de grupos etnográficos, com música e dança da China e de Portugal. O novo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Dr. Carlos Moedas, participou no evento digital de comemoração do Ano Novo Chinês, organizado pela Embaixada da China em 2022 (a convite do embaixador Zhao Bentang), comprometendo-se a dar continuidade e a apoiar o aprofundamento das relações com a China. Em 2019, realizou-se um grande festival da cultura portuguesa na China e da cultura chinesa em Portugal, incluindo música, dança, artes plásticas, projetos de arquivos e bibliotecas, contando com o empenho do embaixador de Portugal na China, José Augusto Duarte.

A Comunidade portuguesa na China e a Chinesa em Portugal têm crescido desde a criação da Região Administrativa Especial de Macau. De tal forma que para além da Embaixada em Pequim (Beijing) e do Consulado em Macau, Portugal abriu um novo consulado em Cantão (Guangzhou). Por outro lado, a Comunidade Chinesa em Portugal tem vindo a crescer moderadamente, sendo em 2021 de 27.430 chineses[3].

As relações entre Portugal e a China devem (como sempre aconteceu) continuar a aprofundar-se com benefício e respeito mútuos!

Rui Lourido

Historiador, Presidente do Observatório da China

[1] https://www.forumchinaplp.org.mo/pt/trocas-comerciais-entre-a-china-e-os-paises-de-lingua-portuguesa-de-janeiro-a-novembro-de-2021-foram-de-us185002-mil-milhoes/

[2] www.fontesmacau.observatoriodachina.org ou http://purl.pt/26918/1/EN/index.html, Direção científica de Rui Lourido.

[3] Segundo o Prof. Wang Jinchen, Diretor do Instituto Confúcio de Lisboa