ptzh-CNen
  • Home
  • Notícias
  • China - EUA
  • Diplomata chinês diz que diferentes sistemas sociais e ideologias não devem afetar coexistência pacífica entre China e EUA

Diplomata chinês diz que diferentes sistemas sociais e ideologias não devem afetar coexistência pacífica entre China e EUA

Segundo Zhang Ping, cônsul-geral chinês em Los Angeles, diferentes sistemas sociais e ideologias não devem impedir a coexistência pacífica entre a China e os Estados Unidos, acrescentando ainda que os dois países podem cooperar em muitas tarefas urgentes.

De acordo com um comunicado do Consulado-Geral da China em Los Angeles, divulgado nesta quarta-feira, Zhang fez os comentários nesta terça-feira num seminário via web organizado pelo Conselho do Pacífico sobre Política Internacional com sede na cidade de Los Angeles.

Zhang disse nos seus comentários iniciais que as relações China-EUA continuam difíceis e tensas em algumas áreas em virtude de o lado americano ter tomado uma série de ações negativas recentemente, não deixando de observar as interações positivas entre a China e os Estados Unidos desde que a administração Biden tomou posse.

Segundo afirmou o cônsul-geral chinês, “a história das relações bilaterais prova que a China e os Estados Unidos ganham com a cooperação, mas perdem com o confronto”, acrescentando que a cooperação é a única escolha certa.

O diplomata destacou a importância do diálogo e da cooperação entre as duas maiores economias do mundo, citando três tarefas urgentes que devem cooperar: o combate à pandemia da COVID-19, o enfrentamento da mudança climática e a promoção da recuperação económica mundial.

Ao comentar as recentes conversações China-EUA sobre a mudança climática, Zhang disse tratar-se de uma prova de que os dois países podem trabalhar juntos em questões de interesse comum.

"Esperamos que a cooperação China-EUA não se limite à área climática ou às questões que preocupam os Estados Unidos. Deve ser bidirecional e mutuamente benéfica, e atender às preocupações e necessidades de ambos os lados”, afirmou.

Zhang também expressou a esperança de que o lado americano tenha uma compreensão correta sobre o desenvolvimento chinês e evite erros de cálculo sobre as intenções estratégicas da China, reiterando o direito legítimo do povo chinês de procurar uma vida melhor.

Afirmou que "no momento, as relações China-EUA estão diante de uma importante escolha. A escolha que devemos fazer terá uma influência direta no bem-estar dos dois povos e no futuro do mundo. Precisamos garantir que o relacionamento vá na direção certa e não caia na armadilha do conflito.”

Elogiou de igual forma os laços estreitos da China com a Califórnia e disse que "o sul da Califórnia tem um peso especial neste relacionamento."

Zhang mencionou que, em 2019, a China era o maior parceiro comercial da Califórnia e o estado americano tinha o maior volume comercial com a China e o maior investimento chinês entre todos os outros estados.

No entanto, “dados os enormes benefícios que este relacionamento estreito trouxe para ambos os lados, todos nós temos interesse em ver a conexão da Califórnia com a China permanecendo forte", disse.

Zhang participou com Jerrold Green, presidente e diretor executivo do Conselho do Pacífico sobre Política Internacional, que atuou como moderador do seminário via web.

Green indicou que tanto a Califórnia quanto a China estão na borda do Pacífico. Tal como afirmou, "embora estejamos separados por um considerável corpo de água, somos vizinhos."

Disse ainda que, mesmo que ainda hoje hajam muitas questões que dividem os Estados Unidos e a China, que são relevantes para ambos os lados, ainda há a possibilidade de os dois países encontrarem áreas de cooperação.

"Quando podemos ser colaborativos, a Califórnia encaixa-se bem neste contexto", afirmou.

Green destacou que há duas áreas que têm o maior potencial de colaboração entre a Califórnia e a China. Tal como afirmou, a área da “saúde global, especificamente o que aprendemos com a pandemia global, e mudança climática.”

Ele também destacou a importância da visita do Enviado Presidencial Especial dos EUA para o Clima, John Kerry, à China, na semana passada.

CRI