ptzh-CNen

Receitas da dona do Tik Tok dispara 111% para 34,3 bilhões de dólares.

A receita da proprietária da TikTok, a ByteDance, aumentou 111% em 2020, depois de a rede social registar 1,9 mil milhões de utilizadores. O crescimento da receita traduz-se em 34,3 mil milhões de dólares (28,7 mil milhões de euros), mais do que o dobro do que em 2019, segundo a “CNBC”.

A ByteDance registou 1,9 mil milhões de utilizadores ativos por mês no final de 2020 em todas as suas plataformas – que incluem a rede social Tik Tok, a versão chinesa Douyin e a aplicação de agregação de notícias Toutiao, entre outros.

O prejuízo operacional da ByteDance em 2020 foi de 2,1 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros) face ao lucro operacional de 684 milhões de dólares (573,1 milhões de euros) no ano anterior. A justificação para as perdas estão relacionadas ao custo da remuneração baseada em ações para os acionistas, disse a fonte citada pela “CNBC”.

O rápido crescimento enfatiza o entusiasmo em torno da ByteDance, uma empresa privada, e porque a sua avaliação foi fixada em 100 mil milhões de dólares (83,7 mil milhões de euros).

A tecnológica chinesa conseguiu obter sucesso internacionalmente com a rede social Tik Tok. A publicidade é uma parte importante da receita da ByteDance nas suas plataformas, mas só agora começou a investir em novas áreas, como videojogos, para tentar competir com alguns dos outros gigantes da tecnologia da China, como a Tencent.

A ByteDance foi apelidada de ameaça à segurança nacional pela administração do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em agosto do ano passado. O “Wall Street Journal” avançou que o acordo para vender a Tik Tok foi arquivado “indefinidamente”.

A empresa também passará por uma importante mudança de gestão ainda este ano. Zhang Yiming, o co-fundador da ByteDance, deixará a sua função de CEO até o final do ano e assumirá uma função estratégica. Outro co-fundador, Liang Rubo, que atualmente é atualmente presidente de recursos humanos na empresa, assumirá a função de CEO

Jornal Econômico